segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Adendo a Quem não é Olodumare

Postagem original AQUI
 
Consta também em um oriki Oxum, colhido em 1970  em terra Iorubá,
 
"Oshun Olodumare mi", como no de Shango.
 
Fonte: Osun across the Waters, capítulo 4.

domingo, 3 de agosto de 2014

Oxum, o décimo sétimo Odu

 
(Tradução minha, do Inglês)
 
Divinação foi feita para os dezesseis Odú
Que estavam vindo do Céu para a terra
O décimo-sétimo entre eles era uma mulher.
Assim que eles chegaram na terra,
Limparam uma clareira no bosque para cultuar Orò,
Orò ganhou seu espaço.
Também limparam outra para Opa,
Opa ganhou uma habitação segura.
Preparam outra para Eegun,
Eegun então também tinha sua casa.
Mas eles não se preocuparam com Oxum,
Aquela que também é conhecida como "Xééguesi, que com um pente decorado com miçangas de coral penteia os cabelos com primazia."
Ela então resolveu esperar pra ver
Como eles seriam bem sucedidos em sua missão na terra;
Oxum permaneceu quieta observando-os.
Começou vigiando Egi-Ogbe e Oyeku meji,
Iwori meji, Odi meji, Irosun meji
Owonrin meji, Obara meji, Okanran meji,
Ogun-da, Osa, Orangun meji, e assim por diante,
Todos eles decidiram não incluir Oxum em sua missão.
Ela, por sua vez, nada reclamou,
E prosseguiu na execussão de seu dever legítimo,
Que é pentear os cabelos.
Ela tinha um pente.
Os Odu nunca suspeitaram que ela era uma pessoa temível (ajé).
Quando eles estavam vindo do céu,
A Suprema Dvinidade selecionou todas as coisas boas;
Ele também selecionou o mantenedor de todas as benesses,
E este era uma mulher.
Toda mulher é temível (ajé).
E devido ao fato dos Odú terem excluído Oxum de suas atividades,
Nada que eles faziam dava certo.
Eles foram até a clareira no bosque sagrado de Eegun,
Suplicar-lhe que seus projetos fossem coroados com sucesso.
"Eegun, vós sois quem organiza os quatros pontos cardeais do universo,
Possa tudo fique em ordem".
Eles foram até Adagba Ojomu
Que também é chamado Orò
"Vós sois o único que coloca medo na Doença e na própria Morte.
Nós suplicamos, ajudem-nos a mandá-los para longe de nós."
Mas a cura não aconteceu;
Pelo contrário, as epidemias se proliferaram.
Eles foram até Ose e imploraram-no
Para que fizesse a chuva cair.
Chuva alguma caíra.
Então foram até Oxum
E Oxum os recebeu calorosamente,
E os entertera,
Mas a vergonha os impediu de contarem a Oxum o que estava acontecendo,
Já que eles a ignoraram até então.
Eles finalmente voltaram ao céu
E questionaram Olodumare (a Divindade suprema) diratemente,
E este perguntou-lhes o motivo de sua vinda
Responderam que se tratava de sua missão terrena.
Quando eles deixaram o céu,
E chegaram na terra
Tudo ia bem;
Então as coisas começaram a ir mal,
Nada era bem sucedido.
E Olodumare perguntou
"Há quantos de vocês aqui?"
Responderam-lhe "Dezesseis."
E também perguntou-lhes,
Quando de sua partida para a terra, quantos eram vocês?"
Responderam-lhe "Dezessete".
E Olodumare disse, "Vocês são todos conspiradores.
Aquela a quem deixaram para trás
A menos que a tragam aqui,
Seu problema jamais será solucionado.
E caso continueis assim,
Estarão eternamente fadados a fracassar".
Após isso eles voltaram a procurar Oxum,
E dirigiram-se a Ela respeitosa e temerosamente, "Mãe, quem penteia os cabelos prmorosamente com seu pente ornamentado com miçangas de coral.
Nós estivemos com o Criador
E junto Dele descobrimos que todos nós (Odú) somos vosso fruto,
E que nosso sofrimento perdurará
Se falharmos em reconhecê-la e obedecê-la".
Assim, em seu retorno da visita ao Criador,
Todos os Odú queriam agradar e aplacar Oxum.
Mas Oxum não estava mais interessada em se juntar à eles.
Ela estava esperando um bebê, e este sim poderia ser um representante dEla entre eles,
Mas isso com uma condição, baseada no sexo do bebê
Ela apenas concordaria em ficar em paz com eles
Caso o bebê fosse do sexo masculino
Então seria esse menino a representá-la entre eles
Mas se por ventura o bebê fosse uma menina,
Oxum não seria compassiva para com eles e continuaria ignorando-os.
Ela disse que sabia que todos eles (os Odú) tinham festejado e se banqueteado sem ela,
Não lembraram dela nem quando comeram carne de bode.
Neste exato momento Oxum ia amaldiçoá-los todos,
Mas Oxe tampou sua boca
E os demais Odu começaram a rezar
Pra que Oxum viesse a parir um varão.
Eles imploravam.
Quando Oxum deu à luz
Ela teve um menino
A quem eles batizaram Ose-Tura.
 
Embora conhecido entre os babalawo como Oxetura, este menino na verdade é Exu, aquele que confere, aprova ou desaprova, e entrega os sacrifícios ao mundo espiritual.
 
Fonte: Osun across the waters : a Yoruba goddess in Africa and the Americas / Joseph M. Murphy and Mei-Mei Sanford, editors. Capítulo 2, Hidden Power: Osun, the Seventeenth Odu - por Rowland Abiodun.

"Sob a linguagem do poeta jaz a chave do tesouro". Nizami

A linguagem do Artista, que mente e revela, resguarda e presenteia, é assim, una, não dual, mas completa.

'Ihy Maut! Ankh-na-Maat.'

"Ele que é iluminado com a mais Brilhante Luz moldará a mais Escura Sombra; Ele que é iluminado com a mais Escura Sombra brilhará com a mais Brilhante Luz."
-A. D. Chumbley-